Notícias

Cisternas levam água potável para 2,7 mil famílias de PE

Imagem: MDS
Imagem: MDS

Mais de 2,7 mil famílias de Pernambuco (PE) vão ter água de qualidade para beber, cozinhar e fazer higiene pessoal graças às cisternas. O governo do estado liberou R$ 7,9 milhões para a construção dos reservatórios em 16 municípios.

Essa é a primeira parcela de um total de R$ 26,4 milhões do convênio assinado entre o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e o governo pernambucano.

Com capacidade para 16 mil litros de água, a cisterna é uma solução simples para captar e armazenar água da chuva, amenizando os efeitos da seca prolongada nas regiões mais secas do País. Com a tecnologia, é possível que uma família de cinco pessoas possa conviver com a estiagem por até oito meses.

Os projetos serão executados pela Diocese de Caruaru, Cáritas Brasileira, Serviço de Tecnologia Alternativa (Serta) e Centro Diocesano de Apoio ao Pequeno Produtor (Cedapp).

Em pernambuco já foram entregues 160 mil cisternas para consumo humano em Pernambuco. “As cisternas garantem às famílias água de boa qualidade para consumo, melhorando as condições de saúde das pessoas”, destaca o secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do MDS, Arnoldo de Campos.

As famílias selecionadas são de baixa renda, residentes na área rural da região do Semiárido, que não possuem fonte de água ou meio de armazená-la adequadamente para o suprimento de suas necessidades básicas.

Soluções

Entre 2003 e maio de 2015, o governo federal entregou mais de 1,1 milhão de cisternas de água para consumo humano no Semiárido e 121,4 mil tecnologias sociais voltadas à produção de alimentos.

As cisternas – soluções simples para captar e armazenar água da chuva – amenizam os efeitos da seca prolongada. Com isso, é possível que uma família de cinco pessoas possa conviver com a estiagem por até oito meses.

O programa Água Para Todos é uma parceria do MDS, do Ministério da Integração Nacional, que o coordena, da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), do Ministério do Meio Ambiente, da Fundação Banco do Brasil, da Petrobrás e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

As ações são executadas em parceria com estados, consórcio públicos, entidades privadas sem fins lucrativos e bancos públicos, como o Banco do Nordeste.

Fonte: Portal Brasil, com informações do MDS