Notícias

Abrir poços sem orientação pode comprometer água do subsolo

Imagem retirada de http://www.fazfacil.com.br/reforma-construcao/bomba-agua-poco-artesiano/
Imagem retirada de http://www.fazfacil.com.br/reforma-construcao/bomba-agua-poco-artesiano/

A água dos poços artesianos em capitais do Nordeste está ficando imprópria para o consumo. Em Fortaleza,  no Ceará, a água doce está ficando salgada. Abrir um poço artesiano é uma alternativa em períodos longos sem chuva. Retirar água limpa do fundo do quintal e ainda de graça, quem não quer? Mas abrir poço em excesso e sem orientação, pode comprometer a água do subsolo que é puríssima.

O Brasil é tem 12% de toda água de superfície. Isso coloca o país em primeiro lugar no ranking mundial com a maior quantidade de água doce. Em segundo lugar, vem a Rússia, em terceiro os Estados Unidos, em quarto lugar, o Canadá  e em quinto lugar, a China.

Recife, a cidade conhecida como Veneza brasileira por causa dos rios e pontes, enfrentou a pior crise de falta d’água na década de 1990. Os moradores apelaram para a perfuração de poços e o Recife se tornou a cidade com o maior número de poços em operação no país: são quase 20 mil entre autorizados e clandestinos. Quem não ainda não tem, sonha com um.

A perfuração exagerada comprometeu os mananciais subterrâneos. O nível da água abaixou de forma alarmante, chega a oito metros por ano em alguns bairros.

O rebaixamento da água subterrânea levou a uma medida drástica: desde 2003, está proibida perfuração de novos poços no bairro de Boa Viagem, um dos mais nobres do Recife. Também foi preciso reduzir o volume d’água retirado de poços de alguns bairros de municípios vizinhos: Olinda, Camaragibe e Jaboatão dos Guararapes.

Natal, no Rio Grande do Norte, lançou uma campanha para que a população ajude a manter a boa qualidade da água.

As dunas estão no litoral, à beira mar, em parques com vegetação preservada, ou entre os prédios e construções. Os montes de areia são uma característica de Natal e é esse tipo de formação que ajuda a acumular água no subsolo: a duna funciona como uma esponja, que absorve e retém a água da chuva no lençol freático. Esse reservatório fica mais cheio ou mais vazio de acordo a quantidade de chuva. Em alguns pontos, essa água subterrânea forma lagoas e rios.

O problema é que como o solo é muito permeável, acaba sujeito também a contaminação. Um problema sério porque só 36,5% da cidade tem rede de coleta e tratamento de esgoto. Por causa da poluição, dos 194 poços perfurados pela concessionária de água, 47 foram desativados.

Fonte: Jornal Hoje, Tv Globo (produzida por Alessandro Torres)